segunda-feira, 14 de maio de 2007

F 1: Curva da consolidação

A curva da consolidação
Acredito que no momento que você lê esta coluna, também já deve ter visto mais de uma centena de vezes a cena que decidiu o GP da Espanha no último domingo (13/05). Alonso força em cima de Massa, o brasileiro não afina. O espanhol vai comprar um terreno e Felipe fatura a corrida de maneira folgada, ou quase! Confesso que fiquei assustado quando na primeira parada, o combustível respingado, fez levantar uma pequena labareda, que chamuscou a vermelha cor da Ferrari.

O mundo inteiro elogiou a atitude ousada do piloto de Maranello, o qual não teve medo de bater rodas com um bi-campeão. E a primeira curva do GP Espanhol consolidou Massa como favorito ao titulo.
Ainda bem que deu certo, porque se fosse ao contrário e o brasileiro tivesse levado a pior, coitado!
Seria crucificado, como o que aconteceu no GP da Malásia.
Mas na Espanha, Felipe sabia que a 1ª curva era decisiva, e teve a mesma atitude que na corrida malaia foi pra cima, não tirou o pé e saiu-se muito bem.

O bom é a comprovação de que Massinha suporta bem a pressão de defender um time tão popular quanto a Ferrari. Tem a simpatia dos fanáticos tiffosi, e não tem medo de acelerar e bater rodas com um campeão.
Mas vamos ter um pouco de paciência, pois em outra curva, na mesma situação, ele pode errar, claro o erro é inerente do ser humano, e aí é necessário a compreensão não vamos pichar, pois a vida é repleta de erros e acertos, e quando o assunto é competição vive-se no limite e muito mais propenso ao erro.

Desde a primeira coluna do ano, digo que na minha opinião Massa é favorito ao titulo, aliás, não só eu, mas até Bernie Eclestone já falou isso. Com o passar do tempo, acredito ainda mais, e vejo Felipe se consolidando como primeiro no time, e Kimi Raikkonen vai se apagando, passando ao papel de coadjuvante. Mas cuidado! O finlandês é rápido, pode surpreender a qualquer momento. E Alonso, não está morto. Foi só uma corrida, tem muitas outras pela frente.

Agora, quem diria..., uma categoria que já teve pilotos disputando a vitória volta a volta, e a decisão só chegava nos últimos metros antes da quadriculada preta e branca, teve a disputa reduzida a primeira curva. Sinal dos tempos?
Rapidinhas
Tentou, mas não deu certo
Após a corrida caseira, Alonso chegou só em terceiro e viu o companheiro e estreante Lewis Hamilton chegar à liderança da competição. Na coletiva tentou dizer que a manobra de Massa foi suja. Nem a imprensa espanhola engoliu, o negócio foi ficar quieto.
Aposentadoria não
Rubens Barrichello, apesar de suar para levar o carro da Honda até o final da corrida, parece de bem com a vida, e já fala que no ano que vem vai ser muito melhor. Estaria Rubinho com o novo contrato assinado, e a certeza de que Ross Brown chegará para salvar os japoneses?
Estranha triangulação
Um milionário associado a McLaren comprou a STR. Quem irá gerenciar o time será Nicolas Todt, filho de Jean Todt e empresário de Felipe Massa. Assim estaria aberta a porta para Bruno Senna (sobrinho de Ayrton) estrear na Fórmula 1. Só resta saber, caso o garoto mostre talento, se a Ferrari finalmente realizará um sonho, ou reviveremos os velhos tempos, ou seja, Senna na Ferrari, ou a volta de Senna à McLaren.
Surpresa nipônica
A Super Aguri, considerada time B da Honda (dizem, mas não provam que usam o carro Honda do ano passado) conquistou o primeiro ponto com o piloto Takuma Sato chegando em oitavo. É a criatura suplantando o criador.
Postar um comentário