terça-feira, 26 de agosto de 2008

GP da Europa: Reação fantástica

Na coluna passada, falei que Massa precisava vencer o GP da Europa, e ainda torcer para que o companheiro Kimi Räikkönen chegasse bem atrás, melhor ainda, se ele não marcasse pontos, pois caso ocorresse o contrario, o brasileiro poderia dar tchau às possibilidades de ser campeão nesta temporada.

Pois bem, e não é que Massinha fez isso, e de maneira consistente. Marcou a pole, mostrou personalidade, manteve a ponta e só perdeu a liderança quando foi aos boxes para trocar pneus e abastecer. Esta vitória não só serviu para colocar o brasileiro de volta à briga pelo título, como também ajudou a levantar o moral de todo o time, aliás, time que mais uma vez quase jogou a vitória de Felipe no lixo.

Em uma cena digna dos filmes pastelão, na segunda parada, o responsável por liberar o piloto não viu o alemão Adrian Sutil (Force Índia) passando e os dois quase se chocaram. Para completar o festival de trapalhadas, Räikkönen saiu antes de ser liberado, atropelou um mecânico, e depois estourou o motor de seu carro, o finlandês, atual campeão ficou a pé.
Como Massa sofreu o mesmo problema três semanas antes na Hungria, quando liderava a prova folgadamente, e perdeu a vitória quando faltavam apenas três voltas para terminar a corrida, posso afirmar que a situação é preocupante!

Para ser campeão, um piloto precisa confiar em todos os elementos que compõe o time, desde o varredor do motorhome, até o presidente. E na atualidade não dá para confiar nos integrantes da Ferrari.

Quando o time perdeu o estrategista Ross Brown, digamos que ficou sem uma barra de estabilidade. Este ano com a saída de Jean Todt, a Ferrari perdeu o rumo e passou a cometer erros de equipes pequenas, assim fica difícil ser campeão.

Neste momento em que Massa é o segundo no campeonato com 64 pontos, o líder é Lewis Hamilton (McLaren) com 70 pontos, e Kimi está em terceiro com 57 pontos, a equipe de Maranello precisa trabalhar a confiabilidade dos motores. Mas não é só isso! Também precisa cobrar maior comprometimento de seus colaboradores, caso contrario verá na próxima temporada o número 1 estampando no carro de Hamilton da rival McLaren.

Rapidinhas
Medalha de ouro
Feliz da vida com a vitória em Valencia, Massa assumiu postura olímpica, “eu sei que não tem o mesmo sabor, mas hoje conquistamos uma medalha de ouro na Fórmula 1, o que dá um gostinho há mais nesse período, vamos atrás de mais medalhas de ouro nas próximas corridas”, afirmou Felipe de maneira bem humorada na entrevista coletiva.
Conformismo?
Lewis Hamilton fez uma corrida discreta. Largou em segundo e assim terminou a prova que inaugurou o circuito de rua em Valencia na Espanha. “Não posso me queixar por este segundo lugar. Esta corrida foi complicada para mim, pois tive alguns problemas de saúde que me impediram de estar 100%”, explicou o inglês. Será que ele está conformado com o resultado, ou aprendeu que muito ímpeto pode prejudicar?
Apresentação apagada
Nelsinho Piquet da Renault terminou a prova em 11º lugar, passou a corrida toda despercebido. Rubens Barrichello da Honda foi o 16º, isso porque ocorreram três abandonos. Ao que tudo indica, se quiser continuar na categoria máxima do automobilismo mundial, Barrichello terá que procurar outra equipe. A Honda já dá sinais de privilegiar Button, o que significa não renovar com o brasileiro.
Postar um comentário