terça-feira, 30 de setembro de 2008

GP de Cingapura: Comédia pastelão

Não dá para acreditar que a Ferrari cometa erros de principiantes, iguais aos das equipes pequenas. Falta comando.

Quem viu o poderoso time vermelho nas mãos de Jean Todt e Ross Brown, não acredita no que aconteceu em Cingapura com Felipe Massa.
Vamos recordar. O brasileiro chegou na primeira prova noturna da categoria como favorito, e confirmou a condição ao fazer a pole com uma chamada volta perfeita.
Manteve a ponta na largada, e começava a se distanciar do rival da McLaren, Lewis Hamilton, quando na volta 14, Nelsinho Piquet (Renault) bateu forte.
Safty car na pista, e aí Felipe vai para o box abastecer e trocar pneus. Neste momento, começou a comédia pastelão. O responsável por apertar o botão para acender a luz verde e liberar o piloto, o fez antes da mangueira ser retirada do bocal. O piloto confia nos companheiros, e não teve dúvidas acelerou, o momento era errado, pois além da mangueira presa, passava por ali um carro da Force Índia, e Massa quase bateu.
Aí começou a parte engraçada, pois o Ferrari número 2 saiu com uma mangueira metálica pendurada ao lado, e parou na saída do box. Os mecânicos corriam de um lado para o outro, batendo cabeça, sem saber se iam até Massa, ou socorriam o companheiro caído.

Até chegarem onde estava o brasileiro, retirar a peça, e mandar Massinha de volta à pista, este tempo foi suficiente para fazer com que ele caísse para a última posição. Como se não bastasse ainda foi punido por quase bater na saída do desastroso abastecimento. Bem o resultado, todos já sabem, Felipe chegou em Cingapura há apenas 1 ponto do líder e saiu sete atrás. O erro foi humano, mas este tipo de coisa só acontece quando o time está inseguro ou confiante demais, pois neste segundo caso, o excesso de confiança faz com que os envolvidos relaxem e percam a concentração.

Stefano Domenicali não está conseguindo controlar seus comandados, e não tem pulso firme para eliminar o malfadado sistema de sinalização eletrônico, o qual já havia confundido Kimi Raikkonen em Valencia, desta vez tirou a chance de fazer Massa líder e ainda fez a Ferrari cair para a segunda posição no Mundial de Construtores.

Restam quatro provas, o brasileiro pode recuperar-se, e vencer, mas para isso, a condição psicológica de todos no time tem que mudar, descer do salto, ou parar de temer, e assumir a condição de competência.
E lógico, abolir o sistema eletrônico, ele não funciona. Volta pirulito!
Rapidinhas
Compreensão
Federico Uguzzoni, é o chefe dos mecânicos da Ferrari e responsável por soltar Massa antes do tempo. O piloto declarou que após a corrida abraçou o companheiro, um gesto humano e compreensivo, aceito por Domenicali. "Nós ganhamos juntos e perdemos juntos, e esta filosofia não vai mudar por causa de um erro. Ficamos muito tristes, claro, como vocês podem imaginar. Mas Felipe foi vê-lo logo depois da prova, e disse ''está tudo bem, cara, vamos em frente''. Como eu falei, estamos sempre unidos", declarou Stafano Domenicali, diretor da Ferrari e ainda garantiu que Uguzzoni não será demitido.
Ainda sem renovar
Com toda a trapalhada da Ferrari, quem se beneficiou foi Fernando Alonso. O piloto da Renault já havia parado, quando aconteceu a entrada do safty car. Assim enquanto os adversários paravam ele continuou e venceu. O resultado não garante sua permanência no time. "Bem, não é uma vitória que muda a situação. Temos uma boa relação com Fernando, estamos negociando, e ficaremos felizes com a decisão que ele tomar. É tudo o que posso dizer no momento", falou Flávio Briatore sobre a situação do espanhol bicampeão.
Eu errei!
Após sair do carro, Nelsinho Piquet confirmou que errou e bateu. "Arrisquei fazer uma primeira perna de corrida bem longa, então o tanque estava cheio e o carro pesado, com isso, eu tocava muito na pista irregular e numa dessas ondulações, acabei perdendo um pouco a saída da curva, bati de leve no muro de fora, rodei e bati mais forte por dentro", explicou o brasileiro sobre o acidente em Cingapura.
Postar um comentário