segunda-feira, 13 de outubro de 2008

GP do Japão: Arrojo demais é ruim

O afobado Lewis Hamilton esta prestes a jogar mais um mundial no lixo, por ficar nervoso na hora errada Deixando o patriotismo de lado, desde o ano passado quando o inglês Lewis Hamilton estreou na McLaren, virei fã do menino. A maneira arrojada de pilotagem, aquela escorregada de traseira, que ele imprimi no trajeto e faz parecer que pilota um kart, e não um bólido de 800cv de potência. A maneira que peitou o bicampeão Fernando Alonso, certo que com apoio do Ron Dennis, tudo isso mostrou que Lewis tem personalidade de campeão, mas no final colocou tudo a perder com dois erros infantis na China e no Brasil. Na época escrevi que faltou experiência para lidar com tanta pressão, e este ano parece que tudo vai se repetir, pois ele errou feio na largada do GP do Japão.
Hamilton tinha a pole, bobeou, deixou Raikkonen (Ferrari) passar e de maneira atrapalhada tentou recuperar e posição. Aí o desespero veio quando sentiu o rival na disputa pelo título Felipe Massa (Ferrari), colado na traseira de seu carro.
Mais a frente os dois se tocaram, em uma manobra que eu, e vários analistas, consideraram ‘manobra de corrida’, mas os fiscais da FIA não entenderam assim e puniram o brasileiro. Já o piloto da McLaren, também foi punido pela largada atrapalhada.

Com estas e mais outras, Massa acabou levando a melhor porque ficou na frente do inglês, e o brasileiro fez aquilo que esta acostumado a fazer quando está pressionado: andou forte, muito forte mesmo. Por duas vezes quase ficou fora da pista. Na primeira Sebastien Bourdais (STR), saia do pit e fechou a porta, o que fez Felipe rodar. Depois, na última volta, foi pra cima de Mark Webber (RBR) buscar 1 ponto salvador, e o australiano o espremeu no muro, mas mesmo assim Felipe passou, e ainda foi beneficiado, porque Bourdais sofreu punição, e no lugar da oitava posição terminou em sétimo, o que lhe valeu dois pontos.

Quem nem imaginava que poderia vencer, o espanhol Fernando Alonso (Renault), aproveitou os erros e punições sofridas pelos adversários, e venceu a segunda corrida seguida, e o que é melhor, Nelsinho Piquet (Renault), chegou na quarta colocação. O brasileiro ainda liderou a corrida por duas vezes, enquanto os outros pilotos paravam para abastecer e trocar pneus. E na segunda posição chegou o maior problema para Hamilton e Massa, o polonês Robert Kubica (BMW-Sauber). Isso porque Lewis tem 84 pontos, Massa 79 e Kubica 72. Caso o brasileiro e o inglês continuem se enroscando, o polonês leva essa, não dá pra dar mole não.
Acredito que Massa tem condições de ganhar o titulo, depende dele continuar concentrado e visualizar seu objetivo. Também chegou a hora Raikkonen ajudar, aliás, ele colaborou nesta corrida onde conquistou a terceira posição. Logo na largada, abriu a porta para o brasileiro passar. Chegou a hora de pressionar Hamilton, porque ele não vai suportar e entrega mais uma. É só aguardar.
Rapidinhas
Punição maior
Hamilton esperava que a FIA punisse com maior rigor o brasileiro Felipe Massa. "Eu não bati em ninguém e ele sim. Eu cometi uma falha e paguei por ela. Agora, as sanções não poderiam ser iguais. Como disse, eu não bati em ninguém", declarou o inglês.
Disputa justa
Por outro lado, o brasileiro Felipe Massa reclamou pouco por ter sido punido. "Acho que o duelo foi duro, mas justo. A punição, com a passagem pelos boxes, realmente prejudicou a minha corrida", falou aos jornalistas depois da prova.
Vitória inesperada
Com um carro pouco competitivo, Fernando Alonso sabia que a temporada 2008 seria complicada, vencer? Só por milagre. "Ainda não acredito que conquistei duas vitórias seguidas. Mostramos uma boa evolução do carro. Estamos atrás apenas de Ferrari e McLaren", declarou o bicampeão na entrevista coletiva, assim que terminou a corrida.
F 1 no Parque do Ibirapuera
Dia 30 de novembro, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, acontece o Renault Roadshow 2008. Entre as atrações, Nelsinho Piquet pilotará o carro de F1 usado na temporada passada, e mostrará ao vivo para o público presente o ronco de um motor V8 de quase 800 cavalos de potência. A edição, inédita na América do Sul, trará uma máquina usada na principal categoria do automobilismo mundial pela equipe ING Renault F1 Team. Também integram o evento, que tem duração estimada de 3 horas, exibições de arrancada, desfile de carros antigos, performances de outros modelos de competição da marca Renault e apresentações de manobras especiais.
Postar um comentário