terça-feira, 3 de março de 2009

F-1: 18 ou 20?

Pelo que tudo indica, a Brown F-1 alinha no primeiro GP do ano, com Button e Barrichello empurrados por motores Mercedes

Mais do que entender os resultados dos testes feitos pelas equipes nesta fase de pré-temporada, existe uma grande dúvida que pelo jeitão só deve ser esclarecida dia 29 de março, quando começa a temporada 2009 da Fórmula 1. Serão 18 ou 20 carros que largarão?
Isso porque, no final do ano passado, a Honda anunciou sua saída da mais importante categoria do automobilismo mundial. De lá pra cá, muito se falou, apesar da crise, disseram que várias empresas estavam interessadas na compra, mas enfim a solução foi caseira. Bernie Eclestone, o chefão da categoria injetou dinheiro, adiantou recursos que a montadora tinha direito a receber, para manter o time vivo, o qual foi comprado pelos funcionários.

Como que num passe de mágica, um carro que é feito milimetricamente, foi reprojetado para receber um motor da Mercedes totalmente diferente. E aí ficava a dúvida, quem será o outro piloto?
Sim, porque Jenson Button é unanimidade dentro do time. Novamente mais mídia para a ‘ex-Honda’, como é chamado o time que agora tem como homem forte Ross Brawn.
Alguns davam como certo a entrada de Bruno Senna, o que daria à nova escuderia uma mistura de experiência por parte do inglês, e impulsividade do jovem Senna, isso sem contar o sobrenome que é lenda no automobilismo.

Pois bem, não é que o conceituado site GP Update.Net, divulgou na última segunda-feira (02/03) que tinha fontes seguras, as quais confirmaram Rubens Barrichello no time?
Para muitos isso espantou, pois o nosso Rubinho esta totalmente desacreditado no meio dos torcedores, é razão de piada até no Casseta & Planeta.
Mas não é bem assim, principalmente para o ‘boss’ Ross Brawn, com o qual Barrichello trabalhou na Ferrari, e ajudou Michael Schumacher a conquistar 5 dos 7 títulos que acumulou na carreira.

E se esta for a decisão de Brown está correta, Rubinho sabe acertar e desenvolver carros como ninguém, o que é muito importante no atual estágio da equipe, a qual não duvido, entre para correr dia 29 sem realizar testes de desenvolvimento, precisando mostrar resultados, pois senão, cai fora do circo.
Já Bruno também pode ser considerado um fenômeno, pois em tão pouco tempo, e sem competir de kart, já que sua carreira foi interrompida quando o tio morreu, conseguiu ser vice-campeão na disputadíssima GP 2. Mesmo assim, não é o piloto para desenvolver carro. Caso a permanência de Barrichello seja confirmada, a conclusão é de que o nome Senna foi usado para atrair investidores, como isso não se concretizou, o negócio foi apostar na experiência, e aqui ninguém nega que Rubinho é o mais experiente na atualidade. A dúvida será esclarecida na próxima quinta às 18h00 (horário de Brasília).
Rapidinhas
Equipes mais pobres

Como conseqüência da crise mundial, a McLaren ainda tem à venda espaço no valor de US$ 1 milhão. A Ferrari perdeu a Martini, valor estimado em US$ 6 milhões. Na BMW, menos US$ 20 milhões do Credit Suisse, menos US$ 12 milhões da Intel, e, não perca a conta, menos US$ 2 milhões da Dell. A Renault perdeu US$ 20 milhões, dos US$ 50 milhões acordados com a ING. Na Toyota a baixa foi de US$ 1milhão, pois a revista Time não renovou contrato. Situação complicada também para a Williams que ficou sem o banco RBS (valor não divulgado), Petrobras (US$ 5 milhões), Lenovo (US$ 8 milhões), Hamley.com e All Saints (US$ 6 milhões) e My Diamonds (US$ 4 milhões). Red Bull e Toro Roso, ambas do mesmo proprietário, e Force Índia, reduziram o orçamento em 30%.
Uma McLaren diferente
Dia 29 de março na Austrália, quando mostrarem os engenheiros da McLaren acompanhando os pilotos da equipe, o público não verá mais a imagem de Ron Dennis no comando. No lugar dele assumi Martin Whitmarsh como chefe de equipe. Sua missão é árdua, fazer com que o inglês Lewis Hamilton continue com o titulo.
Não podia ser diferente
Nelsinho Piquet, piloto da Renault, acredita que seu time surpreendera nesta temporada. “A Red Bull parece muito bem, e é claro que a McLaren e a Ferrari também estarão rápidas, porque são as duas principais equipes, com os maiores orçamentos. Mas não acho que nós não ficaremos muito longe deles, isso se não estivermos no mesmo nível. Tenho certeza de que começaremos a temporada em uma situação muito melhor do que fizemos no ano passado”, declarou o brasileiro depois de realizar testes com o novo carro, sem resultados expressivos.
Postar um comentário