terça-feira, 3 de agosto de 2010

GP Hungria: Vitória da experiência

160267

Com estratégia ousada, Mark Webber da RBR vence no estreito circuito de Hungaroring e assume a liderança da competição

Confesso que acordei no domingo (01/08), acreditando que daria uma cochilada durante a prova no apertado circuito húngaro. Sim, porque normalmente, a posição da largada é a mesma da chegada, já que não tem mais Nelson Piquet, Ayrton Senna, Alan Prost ou160242 Nigel Mansell competindo. Estes pilotos arriscavam e davam show em qualquer tipo de circuito, passando onde não tinha espaço. Já os da geração atual, deixam a desejar neste quesito. 
Somava-se a isso, o fato de Sebastian Vettel (RBR) marcar a pole com o tempo de 1:18.773, enquanto que, seu companheiro Mark Webber (RBR) foi o segundo com 1:19.184. O pop star da Ferrari, Fernando Alonso chegou a 1:19.987 e o bom moço  Felipe Massa (Ferrari) partiu na quarta colocação com o tempo de 1:20.331.
Dada a largada, Alonso foi pra cima e conseguiu ultrapassar Webber, Massa fez tudo para não atrapalhar o primeiro piloto da Ferrari e Vettel disparou na frente, como que se estivesse em uma outra categoria. Lá atrás, Rubens Barrichello (Williams), que saiu em 12º lugar, usou sua experiência para assumir a nona colocação. 
160337
Eis que, na volta 16, os deuses da F-1 resolveram intervir e o safety car entrou para retirar pedaços do Force India de Vitantonio Liuzzi. Assim, quase todos os pilotos procuraram os boxes para substituir os pneus. Quase todos, pois Webber manteve-se na pista, o mesmo fez Barrichello. No pit stop, Alonso entrou primeiro, Massa veio  depois, até ai, tudo seguindo o script. Mas, com muitos carros entrando ao mesmo tempo, aconteceu uma confusão. A Mercedes deixou uma roda solta no carro de Nico Rosberg. A Renault liberou Robert Kubica antes da hora e o polonês bateu em Adrian Sutil (Force India). E Vettel ficou muito longe do carro de segurança e foi punido. Assim, Webber assumiu a ponta e fez o que só um piloto experiente como ele poderia tentar. Andou forte até a volta 45, quando trocou os compostos e voltou na liderança. A punição de Vettel favoreceu o espanhol da Ferrari e o alemão da Red Bull, estranhamente, 160273apesar de ter mais carro, não atacou Alonso, já Massa continuou na quarta colocação sem mostrar competitividade.
E Rubinho, depois de trocar os pneus na volta 56, como não tinha boa distancia dos pilotos que vinham atrás, caiu para a 11ª posição. O brasileiro da Williams com pouco combustível e pneus macios começou a andar forte, até chegar no 10º colocado, o ‘Dick Vigarista’ Michael Schumacher (Mercedes GP). Mais rápido, Rubinho foi pra cima, e não é que o alemão espremeu Barrichello no muro, igual ao que fez com Massa no Canadá. Mas desta vez, o muro acabou antes e Barrichello passou. As declarações foram de revanche, e isso
160277não tem nada a ver. Revanche seria se acontecesse nos tempos em que eles duelavam pela primeira posição na Ferrari. Agora, apesar de bonita, foi uma ultrapassagem do 11º em cima do 12º. A manobra custou a Schumacher uma punição, ele perde 10 posições no grid de largada do próximo GP.  
Beneficiado pelo abandono de Lewis Hamilton (McLaren), o experiente Webber assumiu a ponta da competição ao chegar a 161 pontos. O vice-líder é Lewis Hamilton (157 pontos), em terceiro aparece Sebastian Vettel (151 pontos). Em quarto esta Jenson Button (147), seguido por Fernando Alonso (141) e Felipe Massa (97).
Parece que a equipe RBR encontrou o ponto de equilíbrio, trabalha nas próximas três semanas, durante as férias de verão da categoria, e volta dia 29 de agosto na Bélgica, no circuito de Spa Francorchamps, para a arrancada final rumo ao titulo.
Rapidinhas
Evolução, mas...
Fernando Alonso está otimista, e diz que pode ser campeão nesta temporada. Exaltou a evolução da Ferrari, mas reconhece que ainda precisa melhorar. "Em um circuito normal seria impossível me manter em segundo", afirmou o espanhol depois da corrida.
Como ele é cara de pau!
Sorridente, como se nada tivesse acontecido, Michael Schumacher considerou normal a manobra que quase jogou Rubens Barrichello no muro. "Até onde eu vi, havia espaço suficiente para ele me passar. Mas é claro que eu tentei dificultar a vida dele o máximo possível", afirmou o alemão da Mercedes ao canal RTL da Alemanha.
Promessa é divida
Com a voz embargada, Rubens Barrichello fez uma promessa à torcida brasileira. "Prometi aos brasileiros que ele (Schumacher) não vai me passar de novo. Ele não merece. Tenho pena da situação. Estamos aqui para tentar tudo, mas eu não ia tirar o pé hoje", afirmou para repórter Mariana Becker da TV Globo. Se a promessa será mantida, o tempo dirá.

Postar um comentário