domingo, 10 de julho de 2011

Especial: O pitaco de Pitágoras e a polêmica dos preços Por: Fernando Calmon

untitledO jornalista Fernando Calmon que escreve a coluna Alta Roda explica como é feito o preço para a venda de um veículo.

Os preços dos carros no País são influenciados – de forma permanente – por três fatores: impostos, Custo Brasil (visível e invisível) e as variações cambiais. Mas há gente que prefere atribuir os altos preços, em artigos pela internet, apenas ao Lucro Brasil.

O que é custo invisível? Entre vários outros, estradas em petição de miséria. São as mais caras do mundo, recolhem pedágio para os bolsos errados mesmo sem as cancelas e encarecem os carros com reforços estruturais e elevação da altura de rodagem, o que aumenta o arrasto aerodinâmico, o consumo de combustível e as emissões.

Comparar, porém, custos visíveis exige uma moeda de conversão, dólar ou euro.  Anote essas diferenças:
a) Custo total de produção de veículos no Brasil: 60% maior que a China e 33% superior ao México.
d) Hora da mão de obra com ônus diretos e indiretos: 340% superior à Índia e China; 104% mais cara que o México.
e) Água industrial: 97% mais alto que o México; 900% mais cara que na Argentina.

A fonte é a empresa internacional de consultoria PricewaterhouseCoopers, estudo de 2010. Claro, sempre a “maioria” vai achar que o Lucro Brasil anula tudo isso com folga. Mas não provam, porque lucro é a diferença entre preço (possível) de venda e os custos, abatidos os impostos.

Aliás, muitos aqui adoram a teoria da conspiração. Balanço financeiro que mostra lucro elevado só pode ser exploração do povo, não importando se a empresa perdeu dinheiro no passado. Se revelou prejuízo, deve ter sido fraudado para esconder o lucro.

Vamos à discussão cambial. O real não é moeda conversível. Então é preciso eleger o dólar como referência, utilizado nas transações e comparações no mundo. Suponha que a moeda americana valesse R$ 3,00 e não R$ 1,55 como agora (já esteve em quase R$ 4 no final de 2002). Um Mille custaria US$ 7.333,33 com toda a carga fiscal brasileira. O carro mais barato nos EUA começa em torno de $12.000 (lá o frete é cobrado à parte). Mas se enfrentasse a mesma carga fiscal direta brasileira custaria US$16.000, no mínimo.

Em matérias jornalísticas é comum informar preços em reais no exterior, mas o cálculo sempre tem que passar pelo dólar. Pode-se comparar o Corolla nos EUA e no Brasil, quase iguais. No câmbio atual, o americano custa R$ 28.000 e o brasileiro, R$ 67.000. Chocante, mas se o dólar estivesse, como em dezembro de 2008, a R$ 2,53, o Corolla americano valeria R$ 45.000 e a R$ 3,00, R$ 54.000. E mais, igualados os tributos, o Corolla de lá sairia mais caro que o daqui, apenas pelo efeito cambial, esvaziando essa discussão meio tola.

Fator Big Mac (moeda fictícia FBM$). O Big Mac custa aqui R$ 9,50. Nos EUA, US$ 3,49 mais 8,25% de imposto ou US$ 3,78. Para comprar o carro mais barato lá, o americano gastaria o equivalente a FBM$ 3.174 e no Brasil, FBM$ 2.315. Por esse critério neutro, um automóvel de entrada é mais barato no Brasil do que nos EUA.

Obviamente não estou comparando equipamentos nos veículos e sim a capacidade do cidadão se motorizar. Quem discordar, escreva uma carta para Pitágoras no Além. Criador da matemática, ele se foi desse mundo em 497 a.C.

E quanto aos impostos incidentes sobre veículos no Brasil estudo feito em 2007 (com dólar menos desvalorizado) por uma consultoria especializada em comércio exterior, resume: um carro que chega aos portos brasileiros por US$ 10.000, por exemplo, aparece nas lojas por US$ 30.571 depois de todos os impostos, custos e margens.

FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VEÍCULOS IMPORTADOS

IMPORTAÇÃO DIRETA

CUSTO DOS PRODUTOS IMPORTADOS

%

%

CUSTO DE AQUISIÇÃO

- FOB

US$

10.000

- Frete marítimo

US$

700

- Seguro

0,16%

17

- CIF

US$

10.717

100,00

35,06

CUSTO DE IMPORTAÇÃO

- Imposto de importação

35%

3.751

35,00

12,27

- IPI

25%

3.617

33,75

11,83

- ICMS

12%

2.466

23,01

8,07

- Marinha mercante

25%

175

1,63

0,57

- Custo de despachante

US$

100

0,93

0,33

- Armazenagem para desembaraço

0,25%

54

0,50

0,18

- Movimentação no porto

US$

50

0,47

0,16

- Outros custos de operação *

US$

100

0,93

0,33

CUSTO LOGÍSTICO

- Frete para armazenagem

US$

250

2,33

0,82

- Preparação para venda

US$

150

1,40

0,49

- Frete para distribuição

US$

250

2,33

0,82

CUSTO PARA COMERCIALIZAÇÃO

- Margem do importador

9%

900

8,40

2,94

- IPI s/ margem

25%

225

2,10

0,74

- ICMS s/ margem

12%

108

1,01

0,35

- ICMS substituto

12%

489

4,56

1,60

- PIS/Cofins monofásico

8,26%

1.351

12,61

4,42

- Margem do concessionário

11,45%

3.500

32,66

11,45

CUSTOS OPERACIONAIS

- Marketing

US$

800

7,46

2,62

- Custo Financeiro

US$

150

1,40

0,49

- IR / Contribuição Social***

34%

-731

-6,82

-2,39

- Despesas Gerais **

US$

2.000

18,66

6,54

- CPMF

0,38%

99

0,92

0,32

PREÇO DE VENDA CONSUMIDOR

US$

30.571

285,25%

100,00%

* Custo relativos a OGMO, Taxa SISCOMEX, Registros, etc.

** Folha de Pagamento e Despesas Administrativas

*** IR / Contribuição Social negativo significa prejuízos operacionais

Carga Tributária Total (Sem Encargos Trabalhistas )

US$

12.106

112,96%

39,60%

Leia também a Coluna Alta Roda da semana passada: Levo dois

http://autoagora.blogspot.com/2011/07/levo-dois.html

Postar um comentário