sexta-feira, 24 de outubro de 2014

SALVEM-SE OS JOVENS

Logo_Alta_Roda[3]
Por Fernando Calmon
FOTO_F~2Em matéria de trânsito e especificamente nos temas ligados à segurança, fala-se muito, tenta-se algum planejamento, mas a realidade expõe que nada ou quase nada de prático realmente acontece. O governo federal até esboçou a política nacional de trânsito em 2004 e a atualizou em 2010. Também se engajou na Década de Ação pela Segurança no Trânsito, iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), que lançou o desafio da redução de até 50% no número de mortos e feridos em especial nos países emergentes, entre 2011 e 2020.

Em novembro do próximo ano o Brasil sediará uma reunião interministerial da ONU que mostrará um balanço da primeira metade daquela década. Tudo indica que o nosso vexame rivalizará com o da derrota por 7 x 1 na Copa do Mundo de Futebol, em julho último. Na realidade houve uma pequena redução do número de mortos, porém o de feridos e inválidos continua a crescer com repercussões sérias na sociedade e na economia do País.

O que esta Coluna sempre defende é o que fazer, além de lutar para reverter os números negativos de hoje (mais de 50.000 mortos e 440.000 feridos por ano), para salvar as próximas gerações de motoristas. Trata-se das mesmas preocupações do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) que coordenou o estudo Formação do Condutor – 2015, de 450 páginas, que está disponível para leitura e análise em www.onsv.org.br/area_restrita.

ONSV faz uma pergunta, bem pertinente, sobre que tipo de condutor o Brasil quer. E aponta o que os Centros de Formação de Condutores (CFC), termo atual para as antigas autoescolas, deveriam garantir aos alunos: reconhecer a informação do ambiente em que transitam, avaliar possibilidades de acidente e reagir nas situações de risco com destreza e conhecimento provenientes do que aprendeu durante sua formação. Em outras palavras, muito além de decorar o código de trânsito ou apenas saber arrancar, frear e fazer curvas.

Segundo José Aurélio Ramalho, presidente do ONSV, 16,5 horas de aulas práticas já se provaram insuficientes para formar um bom motorista. Para ele, “não há uniformidade no País sobre conceitos repassados tanto por instrutores como examinadores. Avaliação de riscos, tomada de decisões ao volante, direção defensiva e outras ações precisam ser ensinadas de forma indistinta a qualquer candidato à carteira de habilitação”.

O último dos imbróglios (mal resolvido) – aulas pré-práticas, ou seja, em simuladores de direção – é só uma amostra do grau de improviso e incertezas que ainda cerca o processo. Embora sem a veleidade de se transformar em “manual de soluções”, como a própria entidade ressalva, o trabalho citado apresenta massa crítica graças à sua formulação por uma equipe multidisciplinar de mais de 10 técnicos e especialistas no tema.
Se há desesperança em mudar o comportamento de muitos motoristas atuais, que pelo menos os novos se preparem melhor.

RODA VIVA
HATCH com motor tricilíndrico de 1 L/85 cv e sedã com o de 1,5 L/110 cv do Ka e do Ka+, respectivamente, estão bem de acordo ao que se espera de um compacto atual. Assentos dianteiros mais longos, direção eletroassistida e câmbio de ótimo manuseio destacam-se. Comando elétrico dos retrovisores só na concessionária. Para se diferenciar do Fiesta...
NOVIDADES do Salão do Automóvel, no próximo dia 30, são aos poucos antecipadas, como costuma ocorrer. Citroën, Honda, Lifan, Subaru e VW tomaram a iniciativa na semana passada. A marca francesa terá leve reestilização do DS3, retoques na iluminação externa e três níveis de preços (R$ 79.900 a R$ 92.000).
HONDA importa do Canadá o cupê Civic Si. Apelo visual condizente com a proposta, por R$ 119.900. Carro de nicho (50 a 100 unidades/mês), impressiona pelo motor de 2,4 L/206 cv (suave até empolgantes 7.500 rpm), caixa de direção de resposta rápida, comportamento em curvas exemplar e câmbio manual 6-marchas.
CHINESA Lifan traz do Uruguai (menos impostos) o sedã compacto 530 para uma das faixas mais disputadas. Oferecido apenas em versões completas (R$ 38.990 e 42.490), aposta no estilo atraente e no espaço interno, em especial atrás (assoalho plano). Materiais de acabamento, câmbio e direção precisam melhorar.
APESAR de só estar à venda em maio de 2015, a Subaru confia no jeito esportivo dos sedãs WRX e WRX STI para atrair visitantes ao seu estande no Anhembi. Seu visual é audacioso, embora tomada de ar sobre o capô tenha perdido algo do apelo que já empolgou no passado. Mecanicamente se destaca graças à tração 4x4 e ao motor boxer 4-cilindros turbo de 2,5 L e 305 cv.
ATUALIZAÇÃO estilística do Jetta e mais cinco novidades da VW: SpaceFox e Space Cross seguem agora o padrão visual do Fox, além de três series especiais (Fox Pepper com o novo motor 1,6L/120 cv, Amarok Dark Label e volta da Saveiro Surf de cabine simples). Haverá ainda um sétimo produto – Cross up! – guardado para o Salão, mas sempre previsto desde a estreia do carro em fevereiro passado.
____________________________________________________
fernando@calmon.jor.br e twitter.com/fernandocalmon
Postar um comentário