domingo, 15 de abril de 2007

Competição- GP do Bahrein

“Você guiou como um campeão”
Quem acompanhou o GP do Bahrein ouviu Jean Todt atropelar o engenheiro que, após a bandeirada, falava com Felipe Massa, para expressar a frase do título desta coluna: “você guiou como campeão”.
Estas palavras, somadas a expressão de felicidade do baixinho francês, serviram para confirmar a preferência da Ferrari pelo brasileiro. Para isso ocorrer, só faltava a vitória, que finalmente aconteceu no último domingo (15/04).

Mas o fato de Massa fazer ‘barba, cabelo e bigode’ (isso na nossa gíria, porque na deles é outra), ou seja, fazer a pole, melhor volta e vencer de ponta a ponta, também confirmou que o brasileiro evolui a cada corrida. E esta evolução, é fruto da responsabilidade de ser o primeiro no time, coisa que no ano passado não era possível, já que a Ferrari tinha como objetivo dar mais um triunfo a Michael Schumacher.

Pressão, Felipe recebeu de todos os lados, e saiu-se muito bem. Nesta semana que antecedeu a prova do Bahrein ouvi de tudo um pouco, sobre a frustrada tentativa de ultrapassagem na Malásia: “ele devia esperar e pensar no campeonato”. Aí ele espera, passa na parada para troca de pneus e abastecimento, e o comentário seria: ‘faltou agressividade’. “Ele errou na largada”, “ele foi precipitado”.... e tantas outras frases.
Mas quando Massa tentou, por várias vezes, e não conseguiu ultrapassar Hamilton no GP anterior, errou o ponto da freada e ‘foi comprar um terreno’, lembrei de Ayrton Senna e a conquista do título em 1.991.

Senna precisava chegar à frente de Mansell, mas deixou Berger assumir a ponta. O inglês estava em segundo, e Ayrton na terceira posição. O brasileiro pressionava o inglês, porque sabia que o Leão não suportaria e erraria. Foi o que aconteceu, a Williams saiu da pista.
Título garantido, Senna foi buscar Berger, ultrapassou, andou tudo o que podia e não podia, e nos últimos metros tirou o pé para o austríaco vencer.

Massa tentou a mesma manobra, mas o inglês que ia à frente não era Mansell, e sim o fora de série Hamilton, por isso a tática não foi vitoriosa, mas se Massa tivesse ultrapassado seria considerado um gênio. Por isso é preciso tomar cuidado, e pensar bem antes de criticar. Felipe está aprendendo a ser primeiro piloto em uma equipe de ponta, onde o sangue quente italiano, a vibração e ousadia contam pontos, e neste quesito Massa dá de 10 a zero no Ice Man Kimi Raikkonen. É nítida a expressão de ‘o que estou fazendo aqui’ do finlandês, coisa que os fanáticos tiffosi, também não aprovam. Na pontuação Felipe Massa está 5 atrás do companheiro (Kimi 22, Massa 17) e da liderança, mas no coração, ele é o primeiro dos italianos da Ferrari.

Vitória à parte, para o restante do mundo, a corrida foi muito chata, pois não aconteceram brigas, disputas nas freadas, ou erros de estratégias. Aconteceu o previsível, quem saísse na frente, e não cometesse erros, ganharia. E Massa fez tudo certinho, assim como os outros. Hamilton, por limitação do carro, ou falta de experiência, manteve-se próximo do líder. Kimi Raikkonen está longe de ser o piloto ousado dos tempos de McLaren e conformou-se com a terceira posição. Nick Heidfeld, fez o que podia, pois a BMW, comparada com o carro do ano passado evoluiu, mas não a ponto de medir forças com os italianos e ingleses. E o atual campeão Fernando Alonso, comprovou o discurso de antes das corridas, o qual todos achavam que é para despistar: “ainda falta velocidade ao MP4-22”, e o quinto lugar foi importante para manter a primeira posição no campeonato.
Robert Kubica (BMW-Sauber), Jarno Trulli (Toyota) e Giancarlo Fisichella (Renault), completaram a zona de pontuação e confirmaram: a Toyota continua como coadjuvante, e a Renault terá um ano duro pela frente.

Não podemos esquecer de Rubens Barrichello. A situação está tão ruim com o carro da Honda que o brasileiro comemora o fato de terminar a corrida, independente da colocação. Parece incrível, mas Rubinho não desanima e mostra em suas declarações que luta para ajudar a equipe sair do buraco. Oficialmente, já comunicaram que um novo carro estreará no Canadá. Extra oficialmente Ross Brown, o homem forte da Ferrari até o ano passado, será contratado. Como o acordo com o time de Marenello é de passar uma temporada fora das pistas, sua ajuda será ‘por debaixo dos panos’.
Caso esta contratação seja confirmada, bons ventos para a Honda, só em 2008.
Vamos aguardar!
Rapidinhas
Quem diria, três na liderança!

Massa venceu, Hamilton em segundo, Raikkonen terceiro, Heidfeld quarto e Alonso em quinto. E no campeonato o espanhol, o finlandês e o estreante inglês somam 22 pontos. Fazia tempo que uma temporada de Fórmula 1 não começava tão apertada e pobre em ultrapassagens.
Chefe insatisfeito
Diretor-técnico da Ferrari, Mario Almondo, o homem que substituiu Ross Brown como estrategista da equipe criticou o desempenho do finlandês, “Kimi tem de encontrar uma maneira de melhorar suas relargadas”.
O primeiro
“Bom, eu terminei a corrida, mas este é um consolo bem pequeno. As condições da pista estavam bastante ruins e a dirigibilidade do carro estava terrível, de forma que foi uma prova bastante difícil, especialmente sabendo que não poderíamos ser competitivos. Hoje guiei o pior carro da minha vida”, disse Rubinho após a prova. Detalhe: entre os pilotos Honda (Takuma Sato, Anthony Davidson e Jenson Button), Rubinho foi o primeiro e único a terminar a prova.
Confirmação
“Fiz tudo o que pude. O carro não me deixou confortável em momento algum. Não pude fazer nada. Ficar em quinto é o máximo que deu para fazer”. Com esta declaração Alonso explicou o desempenho do carro número 1 no Bahrein. Vale lembrar que mesmo após vencer na Malásia, o atual campeão alertou que o monoposto ainda não é bom em velocidade final.
Postar um comentário