quarta-feira, 11 de março de 2009

Lançamentos: Punto T-Jet

DNA esportivo
Fiat usa motor turbo, calibra suspensões, agrega acessórios e privilegia o desempenho do Punto T-Jet
Texto: Edison Ragassi
Fotos: ER
No último dia 05 de março em Belo Horizonte, a Fiat Automóveis mostrou para a imprensa especializada do país, o Punto T-Jet. O carro é o quinto modelo equipado com motor turbo que a fabricante comercializa no mercado brasileiro (antes vieram Uno Turbo, Tempra Turbo, Marea Turbo e recentemente o Línea T-Jet).
O propulsor é um Fire 1.4 16V Turbo gasolina, com 152 cv de potência máxima e 21,1 kgfm de torque, disponíveis a partir dos 2.250 rpm, Ele traz a nova tendência européia, chamada de “downsizing”, ou seja, motores mais compactos, com menor capacidade cúbica, e altos desempenhos, e mais economia de combustível.
Desenvolvido e produzido pela FPT Powertrain Technologies, segundo a fabricante, ele atinge velocidade máxima de 203 km/h, com uma aceleração de zero a 100 km/h em 8,4 segundos. O turbo compressor é de baixa inércia IHI RFH3, com sobrealimentação de até 1 BAR e intercooler. O turbo é refrigerado a água e a carcaça da turbina é feita de uma liga de ferro fundido à base de níquel, altamente resistente. Ainda tem virabrequim leve e em aço, bielas de aço fraturadas, pistões leves e revestidos, pino flutuante e cargas de anéis otimizadas. O sub-bloco é feito em alumínio com mancais em ferro fundido integrados, pois a maior rigidez do bloco do motor diminui vibrações.
Ainda, a caixa de transmissão foi desenvolvida com exclusividade para o Punto T-Jet, e as relações de marchas especialmente projetadas para este propulsor.
As suspensões também foram reprojetadas para reforçar a esportividade e oferecer maior estabilidade. A engenharia manteve a mesma arquitetura usada no Punto convencional na dianteira e traseira, porém, todos os componentes são novos. As novas molas dianteiras são 17% menos flexíveis, enquanto as traseiras, 8% menos, e por isso os amortecedores foram recalibrados. Foi colocada barra estabilizadora traseira de 18,5 mm, e a dianteira teve seu diâmetro aumentado em 1 mm.
O sistema de freios foi redimensionado, na dianteira, o Punto T-Jet traz discos de maior diâmetro, de 284 mm (a versão Sporting vem com disco de 257 mm de diâmetro). Na traseira, ele também vem equipado com freios a disco, de 251 mm de diâmetro (a versão Sporting usa freio a tambor), e os pneus também são novos, 205/50 17”.
Para completar o conjunto, o interior recebeu acabamento diferenciado, acessórios como: Blue&Me, air bag duplo frontal, quadro de instrumentos com display dot matrix sistema de som Hi-Fi de alto desempenho com subwoofer amplificado exclusivo para o modelo, rádio CD Player com MP3, ABS com EBD e piloto automático. E as cores são chamativas: branco, amarelo, vermelho e preto.
No teste drive promovido pela Fiat em Belo Horizonte, foi possível sentir que o desempenho do Punto T-Jet é exemplar.
Tem ótimo arranque, as trocas curtas de marchas, fazem com que ele embale rápido, passa muita segurança ao fazer uma ultrapassagem, e quando ultrapassa um obstáculo que exige diminuir a velocidade, a retomada é rápida.
A calibragem da suspensão também agrada, pois ele ‘agarra’ nas curvas, porém, ao encontrar uma imperfeição no piso, os ocupantes podem sentir algum desconforto.
Durante a entrevista coletiva com os executivos e engenheiros da Fiat, o jornalista Roberto Nasser perguntou se não faltou uma pimentinha como um ronco mais forte, e os homens da fabricante disseram que não.
Bem, na minha opinião faltou sim, pois um modelo esportivo, que não é só um carro cheio de acessórios, com pintura diferenciada da versão comum, precisa se impor. E para isso nada melhor que um ronco diferenciado.
No mais, quem procura um carro projetado para atingir alta performance vai se interessar pelo Punto T-Jet.
O preço sugerido para venda do Punto T-Jet é a partir de R$ 59.900, a Fiat ainda oferece três anos de garantia para o modelo.

Ficha técnica Fiat Punto T-JET
Motor
Posição: Transversal, dianteiro
Número de cilindros: 4 em linha
Cilindrada total: 1368 cm³
Taxa de compressão: 9,8 ± 0,2: 1
Potência máxima/ regime: 152 cv / 5.500 rpm
Torque máximo/ regime: 21,1 Kgfm / 2.250 a 4.500 rpm
Nº de válvulas por cilindro: 4
Eixo de comando de válvulas: Dois no cabeçote
Ignição
Tipo: Bosch, eletrônica digital incorporada ao sistema de injeção
Alimentação
Combustível: Gasolina
Injeção Eletrônica: Bosch, multiponto, sequencial ME 7.9.10
Aspiração
Turbo compressor – IHI RHF3H
Pressão de trabalho = 1.0 BAR
Câmbio
Número de marchas: 5 à frente e uma à ré
Tração
Dianteira com juntas homocinéticas
Embreagem
Tipo: Monodisco a seco com mola a disco e comando hidráulico
Sistema de freios
De serviço: Hidráulico com comando a pedal e ABS
Dianteiro: A disco ventilado (Ø de 284 mm) com pinça flutuante
Traseiro: A disco rígido (Ø de 251 mm) com pinça flutuante
Suspensão dianteira
Tipo
MacPherson com rodas independentes, braços oscilantes em aço estampado fixados ao subchassi, com barra estabilizadora
Amortecedores
Hidráulicos, telescópicos de duplo efeito
Elemento elástico: Mola Helicoidal
Suspensão traseira
Tipo
Com rodas semi-independentes, travessa de torção de seção aberta e barra estabilizadora
Amortecedores
Hidráulicos, telescópicos de duplo efeito
Elemento elástico
Mola helicoidal
Direção
Tipo: Hidráulica com pinhão e cremalheira
Rodas
Aro: 6.5”JX17”, em liga-leve
Pneus: 205/50 R17
Dimensões externas
Comprimento do veículo: 4.030 mm
Largura do veículo (sem retrovisores): 1.687 mm
Altura do veículo (vazio):1.505 mm
Distância entre-eixos: 2.510 mm
Volume do porta-malas: 280 litros
Tanque de combustível: 60 litros
Desempenho
Velocidade máxima: 203 km/h
0 a 100 km/h: 8,4 segundos
Consumo (Norma NBR 7024)
Ciclo urbano
12,3 km/l (gasolina)
Ciclo estrada
16,4 km/l (gasolina)
Postar um comentário